Google Analytics Alternative

ATUALIZAÇÕES SOBRE ADOÇANTES.

domingo, 8 de setembro de 2013
Nos últimos anos, o aumento da mortalidade relacionada com a obesidade, resultou em uma onda de dietas de perda de peso, produtos alimentícios e diversas rotinas de fitness. É amplamente entendido que muitos fatores contribuem para o aumento da obesidade, como por exemplo: diabetes mellitus tipo 2 (DM2), doença cardiovascular (DCV), hipertensão e certos tipos de câncer, além de uma dieta rica em açúcar e gorduras. Como resultado das muitas condições de saúde negativas associadas com a ingestão de açúcar, tem havido um aumento no consumo de adoçantes como alternativa.
 
   O consumo de alimentos contendo adoçantes aumentou entre as pessoas de todas as idades, com 28% da ingestão total da população. Esta tendência prevalece principalmente entre as crianças, especialmente quando se trata de consumo de bebidas. Uma análise feita pela National Health and Nutrition Examination Survey, com dados coletados
AUCAR CUBOS entre 1999 e 2008, mostra que o uso de bebidas contendo adoçantes aumentou de 6,1% para 12,5% entre as crianças e de 18,7% para 24,1% entre os adultos. Uma grande variedade de adoçantes estão disponíveis, e são diferenciados com base no fato de serem de alta intensidade, de baixo teor calórico, de elevada potência e/ou não-nutritivos. Os adoçantes são conhecidos por serem pelo menos 30 a 13.000 vezes mais doce em comparação com o açúcar (sacarose). São chamados também como educolrantes e podem ser artificiais ou naturais.    
 
   Esta doçura intensa permite porções menores para produzir doçura em produtos alimentares, permitindo assim que o fabricante classifique-os como praticamente "sem açúcar" ou "não-calórico".
   Desde sua descoberta no início de 1900 e a introdução no mercado público na década de 1950 e 1960, tem havido muito debate sobre as vantagens e desvantagens de saúde dos adoçantes artificiais. A primeira evidência de problemas de saúde relacionados com o adoçante artificial foi observada pela FDA que proibiu que um substituto do açúcar, conhecido como ciclamato, fosse considerado inadequado para o consumo devido seus efeitos cancerígenos evidenciado através de muitos estudos em animais.
 
   Desde então, a indústria de adoçantes já percorreu um longo caminho e os consumidores têm agora produtos seguros para o consumo, mesmo para as crianças. No entanto, independentemente dos avanços da tecnologia, parece que a informação científica sobre esses adoçantes e os valores estabelecidos considerados seguros para o consumo parecem ser escassos.   
   Uma revisão sistemática de vários bancos de dados, incluindo MEDLINE e PubMed, e sites confiáveis na Internet foi realizada 1987-2012 para identificar a literatura relacionada ao uso de adoçantes.
 
ESTUDOS SOBRE OS EFEITOS DOS ADOÇANTES:
 
marcador-verde-ponto Homeostase da glicose e controle de peso: O estudo foi realizado com a sucralose, e se observou que ela não estimula a liberação de insulina ou o esvaziamento gástrico lento, mantendo assim a homeostase da glicose na população do estudo. Outros resultados do estudo indicam que a sucralose não teve efeito sobre o apetite em adultos saudáveis e com peso normal. (Grotz LV, Henry RR, McGill JB, Prince MJ, Shamoon H, Trout JR, et al. Lack of effect of sucralose on glucose homeostasis in subjects with type 2 diabetes.J Am Diet Assn 2003; 103:1607–12.);
 
marcador-verde-ponto Controle de peso: Os adoçantes são alternativas para substituir as calorias do açúcar de mesa, mas eles só auxiliam na perda de peso, se
FITA METRICAa ingestão de açúcar compensatório não ocorrer. A preocupação é o efeito sobre o apetite promovido pelo adoçante, ou seja, como é desprovido de energia é comum aumentar as porções para ter a mesma saciedade do que a mesma preparação com açúcar. Tratamento da obesidade é multifatorial e não existe nenhuma evidência suficiente para direcionar o uso de adoçante. É uma estratégia eficaz no controle do peso. Outros fatores associados a comportamentos de vida modernos e genética pode ser influências de confusão que promovem ganho de peso. (Livesey G, Brown JC. D-tagatose is a bulk sweetener with zero energy determined in rats. J Nutr 1996; 126:1601–9).
 
TIPOS DE ADOÇANTES
 
marcador ok SACARINA
Poder adoçante: 200 a 700 vezes mais que a sacarose e não tem nenhuma caloria.
Uso: em refrigerantes, pães, geléias, frutas em conserva, doces, salada, coberturas de sobremesa e goma de mascar, além de ser usado como adoçante de mesa.
Sacarina não é metabolizada no trato gastrointestinal (GI) e, por isso, não afeta os níveis de insulina no sangue, o que faz com que seja um substituto do açúcar, viável para os doentes com diabetes.
A ingestão adequada de alimentos (ADI) para a sacarina é de 5 mg / kg de peso corporal por dia para adultos e crianças. De acordo com um relatório de 2010 em Oncologia atual, a pessoa teria de beber cerca de 24 litros de refrigerantes diet contendo sacarina para atingir doses que podem induzir carcinogênese. Segundo estipulado pela (ADI), significa que se pode "consumir com segurança 8,5 pacotes de adoçante de mesa quase todos os dias ao longo da sua vida."
Apesar de seu questionável histórico cancerígeno, atualmente não há provas suficientes que o identifique como um agente cancerígeno e parece ser seguro para o consumo entre crianças e adultos, incluindo as mulheres grávidas e pacientes com diabetes, quando consumido em quantidades que estejam de acordo com as recomendações da ADI.
 
marcador ok ASPARTAME
É feito a partir de aminoácidos, proporciona 4 kcal/g.
Poder adoçante: 200 vezes mais doce do que a sacarose.
De acordo com a FDA, a dose diária aceitável de aspartame para os seres humanos é de 50 mg / kg de peso corporal, por adultos e crianças.
Uso: O aspartame é usado como adoçante em muitos produtos, incluindo gomas de mascar diet, misturas de bebidas secas, iogurte, pudim, chá instantâneo e café.
O aspartame é metabolizado em fenilalanina, ácido aspártico e metanol no trato gastrointestinal (GI). Pessoas com a doença genética fenilcetonúria devem ter cuidado porque eles não podem quebrar a fenilalanina em tirosina, e, portanto, deve-se evitar o aspartame. Devido aos efeitos do aspartame nesses pacientes, a FDA requer que todos os produtos com aspartame tenham uma etiqueta indicando a contenção de fenilalanina. Os efeitos colaterais mais comuns relatados de consumo de aspartame incluem tonturas, dores de cabeçador de cabea, problemas gastrointestinais e alterações de humor.
Vários estudos têm relatado que o aspartame pode ser um gatilho para causar dores de cabeça, em algumas pessoas mais suscetíveis a essa doença. Existem ainda muitas reivindicações que um certo número de problemas de saúde estão relacionados com o consumo de aspartame, incluindo, mas não se limitando a, doença de Alzheimer, distúrbios de déficit de atenção, malformações congenitas, cancro, diabetes, síndrome da Guerra do Golfo, e lúpus. Aspartame pode promover convulsões em modelos animais que são susceptíveis de aumentar os níveis de fenilalanina no cérebro. Um efeito semelhante é provável em seres humanos com convulsões causadas pelo aumento da fenilalanina.
Aspartame continua sendo um dos mais controversos, porém, o adoçante artificial mais utilizado nos dias de hoje.
 
marcador ok ACESSULFAME-K
Poder adoçante: 200 vezes mais doce do que a sacarose. Não possui nenhuma caloria.
Uso: Goma de mascar e sobremesas de gelatina.
Acessulfame de potássio é estável ao calor e podem ser usados na cozedura.
A ADI é de 15 mg / kg de peso corporal. Nos Estados Unidos, o consumo real é de cerca de 20% da DDA ao longo da vida.
Acesulfame-K é excretado pelos rins. Um dos subprodutos de degradação de acessulfame de potássio no corpo é acetoacetamida, que é tóxico em doses elevadas.
O FDA aprovou acessulfame de potássio, apesar de os testes de toxicidade serem inadequados e de má qualidade.
 
marcador ok SUCRALOSE
Poder adoçante: 600 vezes mais doce do que a sacarose. Não possui calorias.
É feito por substituição seletiva do cloro para os grupos hidroxilo em um núcleo de sacarose. Este composto não é reconhecido pelo organismo como um hidrato de carbono, pois não é bem absorvido durante o processo de digestão. Ele passa através do corpo relativamente inalterado com quantidades insignificantes para ser absorvido no trato gastrointestinal. Eventualmente é eliminado nas fezes.
É resistente a altas temperaturas.
Uso: encontra-se em mais de 4000 produtos.
Não promove a cárie dentária. Em 2006, o FDA aprovou o uso de uma alegação de saúde sobre a sucralose e a não-promoção da cárie dentária.
O perfil de segurança da sucralose foi extensivamente revisto e foi avaliado como não-carcinogênico e não genotóxico. Além disso, devido à sua falta de bio-acumulação em seres humanos e em modelos animais, a sucralose é considerada segura para utilização a longo prazo.
Além disso, a sucralose não estimula a liberação de insulina ou o esvaziamento gástrico lento, mantendo assim a homeostase da glicose na população do estudo. Outros resultados do estudo indicam que a sucralose não teve efeito sobre o apetite em adultos saudáveis e com peso normal.
Nenhum efeito adverso sobre o desenvolvimento fetal normal foi observada em ratos e coelhos gestantes quando alimentados com sucralose durante a organogénese. No entanto, alguns potenciais efeitos adversos para a saúde são relatados do uso da sucralose. Os estudos de caso identificaram a sucralose como sendo um possível agente causador de enxaquecas. Em um relatório hipotético, sucralose é sugerida como possível culpada no aumento da incidência de doença inflamatória intestinal entre os canadenses, devido à sua ação inibidora das bactérias do intestino, função de barreira intestinal e digestiva das enzimas de protease.
 
marcador ok TAGATOSE
Tagatose é um isômero frutose. Em comparação com a sacarose e outros açúcares, tem sido relatado que a tagatose produz uma resposta glicêmica inferior e virtualmente zero calorias.
Outro estudo relatou que por leis e políticas da FDA, D-tagatose não contêm compostos tóxicos, carcinogênicos ou teratogênicos.
Um problema comum associado ao consumo da maioria dos adoçantes artificiais é o fato de que eles podem atuar como laxantes e, embora a FDA não rotular um efeito laxante como tóxico, ele não exige que os fabricantes de alimentos que utilizam substitutos do açúcar em seus produtos coloquem no rótulo informações preventivas sobre as possibilidades de um efeito laxante e, posteriormente, imprimir valores que estipulem quantidades seguras para o consumo para evitar tais problemas de saúde.
Outro estudo relatou que os humanos podem tolerar facilmente a 75 g de D-tagatose, enquanto é igualmente distribuído em três refeições. Também foi relatado que, após estudos experimentais cuidadosamente controlados, a D-tagatose pode ser utilizada com segurança em produtos para auxiliar na perda de peso, assim como diabetes porque este adoçante eficaz teve um valor de energia zero, como revelado através de estudos experimentais metabólicos.
Uso: chocolates, gomas de mascar, leite e produtos lácteos.
 
marcador ok OS ÁLCOOIS DE AÇÚCAR
Os álcoois de açúcar são os derivados de sacarídeos obtidos por substituição de um grupo aldeído a um grupo hidroxilo. Além disso, os álcoois de açúcar são também classificados como monossacarídeos hidrogenados, mais vulgarmente conhecido como o sorbitol, manitol e xilitol; dissacarídeos hidrogenados tal como o isomalte, o maltitol e o lactitol, e como misturas de oligossacarídeos mono-di-and/or hidrogenados, tais como os hidrolisados de amido hidrogenados.
Vários fatores afetam a digestão e absorção de álcoois de açúcar, sendo um, o tempo de trânsito gástrico e ao fato de os álcoois de açúcar ficarem fermentados por bactérias intestinais, permitindo assim uma absorção limitada e, em certa medida, alguns álcoois de açúcar podem escapar do processo de absorção completamente.
Os estudos feitos com estes álcoois de açúcar demonstraram que eles são eficientes na homeostase da glicose e que ocorre bem menor oxidação lípidica e de hidratos de carbonos em comparação a glicose.
Por isso, pode valer a pena explorar o uso desses álcoois de açúcar em produtos alimentares comercializados para pacientes com diabetes, considerando dietas de restrição calórica.
 
marcador ok STEVIA
steviaStevia, é um adoçante natural, é um glicosídeo isolado da planta Stevia rebaudiana Bertoni e tem sido amplamente utilizada no Japão por mais de 20 anos. Recentemente, a stevia tem sido comercializada como um adoçante não calórico em produtos de panificação e refrigerantes. Estudos indicaram possíveis papéis realizados por hipotensores estévia, sugerindo que aumenta a sensibilidade à insulina e a tolerância à glicose em seres humanos.
Estudos que investigaram os efeitos da estévia na ingestão alimentar, saciedade e glicemia pós-prandial e as respostas de insulina em humanos, demonstraram sua eficácia nestes aspectos. Os participantes que consumiram produtos feitos com stevia tiveram uma menor ingestão calórica total em comparação com aqueles que consumiam sacarose. Além disso, o consumo de estévia reduziu significativamente os níveis de insulina em comparação com o aspartame e sacarose, sugerindo, assim, que o uso de estévia no lugar da sacarose pode ser uma forma eficaz de gestão da ingestão de alimentos e as preocupações de saciedade. Este estudo também relatou que os indivíduos consumindo stevia tinham significativamente menor resposta da glicose pós-prandial, em comparação com aqueles com aspartame e sacarose.
Estes resultados sugerem caminhos promissores para ambos os fabricantes e os indivíduos se voltando para os produtos feitos com adoçantes artificiais para combater as epidemias gêmeas de obesidade e DM2.
 
NOVIDADE

marcador ok Sweet Lift: 100% natural extraído do melão Chinês (Momordica grosvenori), juntamente com Eritritol, um poliol obtidos de frutas e cereais fermentados, que não causa diarréia como outros polióis, uma vez que é absorvido no intestino delgado e rapidamente é excretado do organismo sem sofrer metabolização. Não contém nenhuma substância artificial, como aspartame, ciclamato, sacarina e sucralose. Pode ser consumido por crianças, gestantes, diabéticos, hipertensos ou simplesmente para manutenção de peso. Estável a temperaturas elevadas, sem alterar a doçura.
 
CONCLUSÃO

   Os consumidores muitas vezes não têm informação adequada sobre o uso de adoçantes. As informações que são fornecidas muitas vezes são contraditórias, dependendo do motivo e de quem esta fornecendo as informações. Embora as pesquisas feitas publicadas pelo FDA e (especialmente financiada pela indústria) possa endossar a segurança destes aditivos, há uma carência de pesquisas baseadas em evidências conclusivas para desencorajar ou incentivar a sua utilização. No entanto, os consumidores devem ser aconselhados a empregar uma atitude cautelosa ao usar adoçantes artificiais.
   Ao utilizar um novo produto, é importante controlar os sintomas relacionados como alergias ou intolerância, o que pode ocorrer mesmo quando quantidades muito pequenas são consumidas.
   Os dados clínicos e epidemiológicos disponíveis no momento são insuficientes para tirar conclusões firmes sobre os benefícios dos adoçantes na manutenção do equilíbrio de energia ou redução de peso corporal, ou fatores de risco cardiometabólico.
   Como resultado da escassez de dados epidemiológicos e clínicos sobre os prós e contras de consumir adoçantes artificiais, poucas recomendações sobre seu consumo são feitas.
   No entanto, a Academia de Nutrição e Dietética recomenda o uso de adoçantes artificiais em conjunto com uma dieta saudável, com moderação, desde que seja considerada as recomendações nas quantidades de segurança.
  Dado o súbito aumento na obesidade e problemas de saúde relacionados, é fundamental que os médicos e cientistas prossigam a investigação envolvendo o uso de adoçantes artificiais para compreender seus efeitos sobre o consumo de energia, apetite, saciedade, índice de massa corporal, controle de peso, parâmetros bioquímicos, tais como insulina, a glicose, leptina, cortisol e, finalmente, os efeitos de adoçantes artificiais sobre os desejos de comida.

   O consenso recente, emitido conjuntamente pela American Heart Association e da Academia de Nutrição e Dietética acrescenta credibilidade a esta afirmação. A mais recente publicação enfatiza que a obesidade não está relacionada com o consumo de açúcar. O controle de peso depende mais da restrição calórica total, em vez de usar adoçantes.

   No entanto, o uso dos adoçantes, como adjuvante da dieta na gestão de diabetes é uma tentativa para otimizar o controle glicêmico, é mais aceitável e praticado com mais frequência.
   Para a saúde, o ideal seria se consumir apenas quantidades mínimas de açúcar e adoçantes. Hoje, há uma ênfase renovada em comer alimentos frescos, locais e natural para manter uma boa saúde e promover a sustentabilidade. Isso exige uma dieta equilibrada que inclui grãos integrais, legumes, frutas, legumes, nozes, sementes, lácteos com baixo teor de gordura e carnes magras, e evitar a inclusão mínima de alimentos processados e aditivos.
 
Fonte: Equílibrio Nutricional, Atualizações no Consumo de Adoçantes. Acesso em 08/09/2013.

1 comentários:

{ O carteira vazia } at: 9 de setembro de 2013 09:59 disse...

Pedimos desculpa mas é apenas para divulgar. Um casal, a crise, poupanças e histórias de quem vive a crise como muitos outros, mas onde a poupança é o melhor remédio. Pode passar a mensagem…? Obrigado!

http://ocarteiravazia.blogspot.com/

Postar um comentário