Google Analytics Alternative

ALIMENTOS QUE AJUDAM A RETARDAR O ENVELHECIMENTO.

segunda-feira, 4 de março de 2013
Promessas de juventude eterna são um engodo, mas qualquer ajudinha para retardar um pouco os sinais do envelhecimento é sempre bem-vinda, não importa em que idade, certo? A boa notícia é que uma dieta saudável, rica em alimentos antioxidantes, faz isso de forma natural e muito gostosa.

Os anos vão passar na mesma velocidade, claro, mas com uma alimentação balanceada os sinais na saúde e na aparência vão ser menores, garantem especialistas em nutrição.


Os alimentos ricos em nutrientes antioxidantes combatem as marcas de expressão na pele, estimulam o sistema imunológico e ainda ajudam a prevenir doenças cardiovasculares e o câncer. Isso acontece porque os antioxidantes são moléculas que se ligam aos radicais livres, anulando seus efeitos.

“Radicais livres, apesar de serem metabólicos naturais das reações do nosso organismo, em excesso, são responsáveis pelo envelhecimento precoce e podem estar ligados ao Mal de Alzheimer e de Parkinson”, explica a nutricionista Rafaela Isis Allevato, do Hospital San Paolo.
Mas o médico Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), alerta que, na busca da juventude, não adianta comer apenas os alimentos com ação antioxidante. O bom resultado, diz, vem do equilíbrio.
“Há grandes estudos mostrando que um bom aporte de fibras, vitaminas e mineirais, aliado a exercícios físicos, aumenta a longevidade e promove a agerasia, que é o envelhecimento saudável. Isso é o sonho de todos nós: morrer o mais velho possível, mas sendo jovem”, afirma.

Segundo Ribas Filhos, o resultado dos hábitos alimentares saudáveis inclui tanto evitar doenças como ficar com um aspecto visual melhor, pois a dieta equilibrada ajuda a dar uma boa textura para pele e cabelos.

O consumo diário de frutas, verduras, legumes, castanhas, cereais integrais e, ao menos duas vezes por semana, de peixes, é suficiente para sentir no organismo os efeitos positivos dos antioxidantes, garante a nutricionista Marcella Quattrucci, do restaurante Seletti Culinária Saudável.

Consumo constante
“A ação dos antioxidantes ocorre logo após a ingestão e durante a permanência destas substâncias no corpo; entretanto, os efeitos benéficos são percebidos no longo prazo e os alimentos ricos em antioxidantes devem ser consumidos constantemente”, recomenda.

Os carotenóides, vitamina C, E e ômega 3, são exemplos de antioxidantes que auxiliam a retardar o envelhecimento, a proteger o coração e a controlar os níveis de colesterol. Segundo Quattrucci, todos os tipos de antioxidantes atuam na proteção do organismo com algumas especificidades, mas não é preciso se preocupar com a ingestão de cada um deles: uma dieta variada e colorida resolve a questão.

A variedade é recomendada também por Allevato. “Ingerir determinado alimento apenas para ter a quantidade de antioxidantes pode ser prejudicial. Por exemplo, se eu tomar chá verde em excesso vou ter insônia, irritabilidade, disponibilidade a dor de estômago”, diz. A nutricionista alerta ainda que não existe a necessidade de se tomar suplementos de antioxidantes, uma prática inclusive desaconselhada pelos profissionais.

Saber se você está consumido uma boa dose de alimentos antioxidantes é simples: basta verificar se você ingere 400 g de frutas, legumes e verduras diariamente, explica Ribas Filhos.



Frutas vermelhas: "Também conhecidas como berries, são consideradas frutas nobres pelo sabor peculiar e por conter antioxidantes", diz a nutricionista Marcella Quattrucci, do Seletti Culinária Saudável. No Brasil, a mais comum é o morango, mas também é possível encontrar nos mercados polpas congeladas de amora e sucos de cranberry, entre outras. Um dos seus principais antioxidantes são as antocianinas, que auxiliam na manutenção da saúde, prevenção de doenças crônicas como diabetes e doenças do coração e agem contra os danos ao cérebro naturais da idade, explica Quattrucci.

Uva: recomendada por Rafaela Isis Allevato, nutricionista do Hospital San Paolo, é uma fruta rica em potássio, nos chamados flavonoides e no resveratrol, poderoso antioxidante que aumenta os níveis do colesterol HDL e reduz os níveis de pressão arterial, protegendo o coração e todo o sistema circulatório.

Frutas cítricas: laranjas, mexericas, limões e acerolas são indicados por Rafaela Isis Allevato, nutricionista do Hospital San Paolo, por conterem vitamina C e fenólicos, compostos com uma forte característica antioxidante.

Tomate: alimento que se destaca por apresentar uma combinação de betacaroteno com o antioxidante chamado de licopeno, que diminui o risco de cânceres de bexiga, pulmão, próstata, estômago e pele, assim como de problemas coronarianos.

Grãos integrais: são alimentos muito saudáveis por três razões, diz Marcella Quattrucci, nutricionista do Seletti Culinária Saudável: as fibras solúveis contribuem para a regulação dos níveis de açúcar e gordura no sangue e saciedade; as fibras insolúveis regulam o funcionamento do intestino; contam com antioxidantes, sobretudo os polifenóis, que atuam na prevenção de doenças como diabetes e pressão alta, além de exercerem um efeito protetor no fígado e no pulmão, e combaterem os danos naturais do sistema nervoso.

Salmão: contém ácidos graxos essenciais ômega-6 e ômega-3. "Esses ácidos graxos fazem parte de todas as células do corpo, colaboram com o funcionamento do sistema de defesa e nervoso, com o equilíbrio do colesterol e ainda podem auxiliar na prevenção de doenças do coração e câncer", explica Marcella Quattrucci, nutricionista do Seletti Culinária Saudável.

Maçã: contém boas quantidades de duas substâncias antioxidantes: os polifenóis (que atuam na prevenção de doenças como diabetes e pressão alta, protegem o fígado e o pulmão, e combatem os danos naturais do sistema nervoso) e a vitamina C (que fortalece o sistema imunológico e previne o câncer).

Brócolis: contém diversos elementos antioxidantes, como o betacaroteno, as vitaminas A, C, E e o selênio. Como as demais hortaliças com cor verde escura, ainda é rico em magnésio, mineral essencial para a fixação do cálcio no tecido ósseo, e que ajuda na formação da serotonina, um neurotransmissor que melhora a sensação de bem estar.

Banana: indicada por Rafaela Isis Allevato, nutricionista do Hospital San Paolo, como um dos principais alimentos com ação antioxidante, a banana é rica em vitaminas C e B, e em minerais como potássio, zinco, selênio, entre outros nutrientes.

Milho: alimento versátil, o milho pode ser consumido cozido, em forma de pipoca, como pamonha, canjica, bolo etc. Rico em amidos e proteínas contém altas concentrações do antioxidante conhecido como polifenol, que previne diabetes, pressão alta, problemas do fígado e do pulmão, e ainda combate os danos naturais do sistema nervoso, segundo explica Marcella Quattrucci, nutricionista do Seletti Culinária Saudável.

Repolho: ótima fonte de vitamina C, o repolho também é rico em vitamina A e B6, em ferro, potássio, cálcio, magnésio, fibras, além de polifenóis (substância antioxidante). A variedade roxa é a que concentra mais antioxidantes.

Beterraba: é um alimento altamente nutritivo, rico em vitamina C, ferro e ácido fólico, indicado no combate à anemia e no fortalecimento do sistema imunológico. Contém ainda o antioxidante antocianina, que ajuda a prevenir diabetes, cardiopatias e age contra os danos ao cérebro naturais da idade.

Soja: segundo o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente a Abran, o consumo regular de soja é recomendado, pois reduz o risco de doenças do coração, diminui os níveis do mau colesterol (o LDL) e aumenta o bom colesterol (HDL). O componente responsável por tudo isso é conhecido como isoflavona, um tipo de antioxidante.

Cebola: seu consumo traz tantos benefícios à saúde que ela recebeu o título de alimento funcional, explica Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia. Entre outros nutrientes, é rica em quercetina, um antioxidante do tipo flavonoide com poder anti-inflatório, analgésico, que combate úlceras, diabetes e diversos tipos de cânceres.

Alho: outro alimento bem comum nas cozinhas brasileiras e cheio de propriedades benéficas, diz o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente da Abran. A principal ação antioxidante vem da alicina, que também dá ao alho seu cheiro tão característico. O consumo de alho ajuda a melhorar a circulação sanguínea, diminuir a formação de trombos, inibir a formação de catarata, além de prevenir diversos tipos de câncer e doenças ligadas ao envelhecimento cerebral.

Fonte: UOL, Saiba quais são e como atuam os alimentos que ajudam a retardar o envelhecimento. Acesso em 04/03/2013.

0 comentários:

Postar um comentário